Que tipo de recompensa você terá?

Não é apenas uma questão de fazer ou não o bem, mas também "como fazer", e mais, "porque estamos fazendo". Atos de generosidade são louváveis, contanto que nossa motivação seja pura e igualmente verdadeira. Jesus questionou veementemente pessoas que fazem suas "obras de justiça" para serem vistos pelos homens, pessoas que gostam de expôr publicamente aquilo que fazem de bom para serem aplaudidas, para receberem pontuações positivas em sua reputação, para terem seu ego inflado pelos elogios e felicitações. Jesus deixou expressamente declarado que para estes, não há outra recompensa a ser dada, senão a que procuravam: o bem-estar temporário do reconhecimento público.

Viva!

A vida é cheia de ciclos Inícios e fins Um após o outro Enquanto a gente amadurece e cresce Enquanto o tempo se esvai por entre os nossos dedos A vida é cheia de dilemas Crises e tabus Morais e éticos Enquanto a vida aprende a viver Enquanto o olhar das pessoas ainda molda nossas decisões

Há motivos pra desanimar?

Há motivos em sua vida pra desanimar? Você consegue elencar razões pra entregar os pontos e jogar a toalha no ringue da vida? Eu sei que você tem, mas apesar disso, considere também as benesses, as bênçãos recebidas, os apoios oferecidos, os privilégios conquistados, as boas oportunidades de virar o jogo que estão diante de você! Tenha esperança, não há nada que não possa ser revertido em bem de alguma forma, mesmo que seja uma doença incurável, essa situação pode te tornar um ser humano melhor, e você pode levar dessa vida um caráter desenvolvido, experiências de amor além de amizades verdadeiras.

E se eu me isolasse?

Embora hajam momentos na vida em que o isolamento proposital é um ótimo exercício para reflexão, meditação, introspecção e avaliação pessoal, por outro lado, não há desenvolvimento do ser, do caráter, sem um envolvimento real e profundo com as pessoas que nos cercam. Não falo de "coleguismo", de "oi e tchau", falo de relacionamentos significativos.

O avião em queda e a tendência humana

Vejo essa gravidade existencial dentro de mim, essa tendência de querer sempre o que me é proibido, exagerar naquilo que é prazeroso, não fazer gestão da vida com equilíbrio afim de promover a paz interior e exterior. As vezes, uma situação simples como ter um saquinho de amendoim em cima da mesa de trabalho já um desafio comparável aos Jogos Olímpicos; tentar não comer tudo é como domar um leão!