Luto

Como é difícil dizer adeus Dói na alma, explode no peito É como carne arrancada à força É como dente cravado enquanto se sofre Se despedir é acolher um buraco dentro de si É receber a saudade, abraçar as lágrimas

Um detalhe

​Fazemos tantos planos Imaginamos o futuro Com quem nos casaremos Quantos filhos teremos Que faculdade escolheremos Mas basta um detalhe Um trupicão e tudo muda Um erro de cálculo e a vida cessa

Morte

Morrer é perder-me na vastidão do teu corpo Tocar as estrelas com o toque da tua boca na minha pele Morrer é esquecer-me da ânsia da tua existência Morrer é tocar os teus lábios, Salgar minha pele na tua, Afogar-me nos teus beijos

O que vou fazer 2017?

O que fiz em 2016 e todos os dias da minha vida. Acordar cedo e vencer a mim mesmo. Vencer minhas paralisias internas, Vencer os obstáculos internos que eu mesmo crio, Vencer meus medos, minhas fraquezas, meus temores, Vencer o mal que há em mim,

E quando eu me for?

Certamente, um dia, hei de me retirar da fisicalidade espaço-temporal. Certamente, um dia, tudo que fui, ou não fui, já não será o que tento ser ainda. Certamente, um dia, todos os meus anseios, ou falta deles, já não terão a veemência com à qual emergem a cada nova manhã ou madrugada. Certamente, um dia, todas as "tragédias e dores", já não serão interpretadas como hoje venho interpretando.

Ai de mim!

Ai de mim Se o orgulho se apoderar de mim Se a simplicidade fugir da minha vista Se o peso nas costas me impedir de caminhar Ai de mim Se o rancor foi maior que o perdão

O Galo Canta #4 – O paraíso não foi suficiente

Fui criado com um mundo a minha volta tive todas as árvores do mundo à minha disposição podia nadar em todos os rios, correr por todos os bosques brincar com todos os animais, desenvolver todo tipo de trabalho Somente uma condição me foi dada, uma árvore, um fruto, não coma! Recebi uma companhia espetacular osso do meu osso, carne da minha carne belíssima, perfeita, era o paraíso dentro do paraíso do que podia eu reclamar? a vida se tornou perfeita!

O Galo Canta #2 – Cego pra Enxergar

Sou muito conservador não tolero variações de interpretações só há uma única maneira certa de ver a vida a forma como eu a vejo, as ideias que eu defendo Se não concorda comigo vou te matar! Bandidos, blasfemos, hereges meu culto a Deus é varrer da terra essas impurezas,

A fobia da morte: um discernimento essencial

O autor do livro de Hebreus nos diz que Jesus veio destruir aquele que tem o poder da morte; a saber: o diabo. E, além disso, veio para livrar aqueles que pelo pavor da morte estavam sujeitos à escravidão por toda a vida. Para mim poucas revelações espirituais são tão fortes e essenciais para o bem da alma humana quanto as duas acima referidas.