Justo

Eis o Justo: Cansado Debilitado Ensanguentado Entre ladrões crucificado Eis o Justo: Suportando a dor

Pecado: uma outra perspectiva

Suponho que a maioria das pessoas que nasceram no Ocidente da terra possui uma explicação, gravada no coração, sobre o que é pecado. Pra muitos essa palavra é extremamente forte por duas razões: primeiro, porque ela significa desobedecer a Deus, e muitos associam isso à cobranças morais e religiosas; segundo, porque para outros ela foi usada como forma de repressão, imposição e "estupro" da alma e, como reação à essa violência em nome da fé e de Deus, esses vão dizer que não existe pecado, de que isso é história da carochinha, invenção humana para manipular os outros.

Talmidim #004 – Obediência

Enquanto Jesus estava na praia ensinando a multidão, o coração de Pedro foi se enchendo de assombro e encantamento. Ele estava diante de um mestre jamais visto antes em Israel. Aos poucos Pedro vai reconhecendo a autoridade e a majestade de Jesus. Pedro foi percebendo que, comparado a Jesus, ele não passava de um bonequinho de pano. Então Jesus dá uma ordem: "Leve o barco mais ao fundo e lance as redes". Pedro responde: "Nós pescamos a noite toda, somos pescadores, conhecemos esse mar e podemos dizer que a maré não está para peixe, mas, como és tu quem está dizendo isto, vou lançar as redes". O que é isso? Obediência.

Você se negaria?

Um ser formal, polido, sério, grosseiro, obsessivo quanto à inclinação de acabar com divertimentos, "pé no saco", chato, bobo, um ser de propostas surreais e inconvenientes, defensor dos frustrados, cabeludo, gente fina, porém, ingênuo... Tais são algumas das afirmações que eu ouço, principalmente dos amigos queridos da minha geração, acerca de Jesus. Com toda sinceridade, eu concordo. Concordo com a aversão a esse jesus proferido pela religião, que viralizou como um ser do "tá no inferno" ou "tá no céu". Um ser de análises julgadoras e irritantes. Um ser que faz de seus ensinamentos, um caminho mais entediante e desgraçado do que o do próprio inferno. Sim! Seguir o jesus das "casas de lambada" religiosas é o mesmo que viver o inferno! Inferno para si e para todos os que o cercam.