Como vai você?

Há dias e tempos que a mim parece que o melhor é não ver ninguém, mas, descobri que quando procedo assim, privo o outro de mim, como sou privado daqueles que agem assim. Preciso aprender a me preservar sem, no entanto, impedir que o outro desfrute da minha presença, digo, do outro que me deseja por perto, do outro a quem faço bem estando perto.

E se eu me isolasse?

Embora hajam momentos na vida em que o isolamento proposital é um ótimo exercício para reflexão, meditação, introspecção e avaliação pessoal, por outro lado, não há desenvolvimento do ser, do caráter, sem um envolvimento real e profundo com as pessoas que nos cercam. Não falo de "coleguismo", de "oi e tchau", falo de relacionamentos significativos.