Desprezo

Poderia conceder-te minha amizade Se, de teus poros, a pobreza de espírito Não exalasse num perfume acre Que desconhece a sutileza de palavras. Poderia tomar-te como esposa Se a luz jamais tivesse, as tuas faces, tocado