white printer book page

Tendo Jesus como a Palavra de Deus – Como eu leio as escrituras #7

Jesus é o Verbo, a Mensagem, a Palavra de Deus à humanidade; Nele subsiste toda sabedoria e conhecimento; Ele é a tradução de quem Deus é para a nossa relatividade. Por isso, leio as escrituras tendo Jesus como a Palavra de Deus, como a referência máxima, como a pedra de esquina que apruma os meus horizontes de percepção, que filtra o que é válido ou não para a minha caminhada.

Considerando a língua original da Bíblia – Como eu leio as escrituras #5

Considerar a língua original da Bíblia significa reconhecer o empobrecimento inerente a todo tipo de tradução de textos de qualquer natureza; não que a mensagem principal não seja compreendida no português, mas é inegável que há percepções de dinâmicas textuais que só percebem quem estuda o texto no original em que ele foi escrito.

brown book page

Lendo o contexto imediato e ignorando divisões e subtítulos – Como eu leio as escrituras #3

Continuando a série "Como eu leio as escrituras", o vídeo de hoje trata-se da importância de ler o contexto imediato do texto (versículos anteriores e posteriores) e ignorar completamente os subtítulos sugeridos pelos tradutores. No vídeo explico em quê isso altera a nossa percepção do texto e cito pelo menos um exemplo das dificuldades interpretativa de se tirar um texto de seu contexto.

opened book in selective focus photography

Conhecendo o apóstolo João e respondendo os inscritos – Como eu leio as escrituras #2

Nesse segundo vídeo da série "Como eu leio as escrituras" trouxe exemplos práticos dentro da primeira carta de João a respeito do quão importante é conhecer o autor, o contexto e os destinatários para interpretar sua mensagem. No final do vídeo também respondi os comentários dos inscritos no último vídeo.

Considerando o autor, contexto e destinatário – Como eu leio as escrituras #1

No vídeo de hoje eu falo da importância de se considerar que o texto, originalmente não foi escrito para nós, nem considerando nosso vocabulário, significados e realidades contextuais. O texto tem um autor, um momento histórico e um destinatário. Ter isso em mente ajuda muito e nos impede de interpretar ao nosso bel prazer.