Ir para conteúdo

Alma perdida

A oferta era indecente
mas, quem descobriria?
esconder dos outros não é tão difícil
o problema é conseguir
a proeza de esconder de mim mesmo
Impossível!

Um dia você entenderá

Por que tanta “pré-ocupação”? Por que tanta resistência em simplesmente descansar? Deixar que o silêncio seja eloquente, ouvir o que o barulho esconde, perceber no simples, no agora, no cotidiano, na brisa, nos movimentos sutis da vida que projeta no caminho os grandes sinais, as maiores lições às respostas que precisamos?

E quando eu me for?

Certamente, um dia, hei de me retirar da fisicalidade espaço-temporal.
Certamente, um dia, tudo que fui, ou não fui, já não será o que tento ser ainda.
Certamente, um dia, todos os meus anseios, ou falta deles, já não terão a veemência com à qual emergem a cada nova manhã ou madrugada.
Certamente, um dia, todas as “tragédias e dores”, já não serão interpretadas como hoje venho interpretando.

Reconexões – Introdução – Parte 1

Esse é um texto escrito há mais de dois milênios e meio atrás e você percebe que a leitura dele foi equivalente a algo que pudesse ter sido produzido nessa manhã, para essa época, para esse dia, na descrição da nossa sociedade, de nós mesmos, das nossas doenças pessoais, doenças sociais, doenças relacionais e em todas as áreas; bem como a descrição da nossa desconexão natural e de como a nossa existência produz em todos os níveis uma desestruturação sistêmica. Há uma ecosistemia perversa estabelecida daquilo que é produzido pela mente do homem até aquilo que se materializa como destruição natural.

Confissão Sem Pudor

Admitir que a fumaça do escapamento de um carro
não me é totalmente repugnante,
dizer que os mau cheiros que saem de mim
não me são totalmente desagradáveis
são apenas as confissões de um porco que sabe da própria porquice.

Abstrato

Pago um preço muito alto pela espera
Olho em volta e arranho a rosa que me espeta
Sangue salta feito tinta em tela abstrata
Trato tudo como brisa em meio à mata
Pela estrada deu vontade de cantar

Significado

Quando eu morrer, verei o avesso do mundo.
O outro lado, além do pássaro, da montanha, do poente.
O significado verdadeiro, pronto para ser decodificado.
O que nunca fez sentido, fará sentido,
O que era incompreensível, será compreendido.
– Mas, e se o mundo não tiver avesso?

Feliz Ano Novo

Ano novo pressupõe novo tempo
novas oportunidades, nosso jeito de viver
novo olhar, nova disposição mental
novo momento, nova fase
mas, tudo pode ser como antes…
Sim, para a maioria o novo ano é mais do mesmo
mais do mesmo velho jeito de pensar
mais do mesmo velho jeito de conduzir a vida
é a manutenção das velharias
só se torna novo quando se renova e isso é decisão…

Tédio

Nada para se fazer,
nada para se pensar.
Apenas as escuras ruas
para se vagar.
Esta fria chuva a me
molhar.
Sem seus lábios macios
para beijar e seu

Medo

É pelo medo que temos
Que nos prendemos.
É pelo desamparo
Que me amargo.
É pelo desapego
Que me apego.
É pela insegurança
Que perco a esperança.

O Galo Canta #6 – Enganando e sendo enganado

Desde o início da vida me vi enganando
agarrei com forças o calcanhar de meu irmão gêmeo
queria nascer primeiro
queria ser o mais importante
Mas, a vida tinha lições a me ensinar!
Aprendi o caminho da mentira
aprendi a me disfarçar, a me mascarar

O Auto Retrato

No retrato que me faço
– traço a traço –
às vezes me pinto nuvem,
às vezes me pinto árvore…
às vezes me pinto coisas
de que nem há mais lembrança…
ou coisas que não existem
mas que um dia existirão…

Em que ser melhor para o próximo ano?

Sempre que o final de ano se aproxima, inevitavelmente fazemos avaliações, tentamos entender o que aconteceu no ano, onde erramos, onde acertamos, o que faríamos igual, o que faríamos de diferente. Então resolvi pensar em três coisas que gostaria que melhorassem em mim para esse próximo ano, e caso isso aconteça já será uma grande evolução. Talvez isso seja útil pra você também

Talmidim #002 – Poeira

Os rabinos antigos tinham um ditado para os meninos talmidim: “Cubram-se com a poeira dos pés de seu rabino”. Um talmid deveria seguir seu mestre tão de perto, andando bem atrás dele, a ponto de, ao final do dia, estar coberto com a poeira dos pés do rabino.
O que os rabinos estavam querendo dizer é o seguinte: “Observe atentamente, ouça com atenção tudo o que seu mestre diz, não perca nenhum detalhe da vida de seu mestre, porque ele, o seu rabino, é o modelo do homem que você está se tornando”.

A nueza da alma

A capacidade de concebermos uma expressão nua, sem qualquer invólucro daquilo que podemos gerar como filha do nosso comportamento, cultura e modo de vida, e que iconiza uma geração, uma idiossincrasia, um estilo, um sentimento, é capaz de gerar frutos artísticos que apenas trazem consigo, um retrato da alma e que em via de cada ser humano, possibilita formas de expressões variadas, porém, rotuladas; rotuladas, porém, diversificadas e por fim, ilimitadas e universais.

Pior

Frágil ser
Habitante do transitório
Universo de sentimentos
Emoções sem fim
Malabarista da arte existir (sobreviver)
Pensante
“Impensante”