No programa “Oração de Cada Dia” de hoje refletimos sobre as rotas de fuga que tomamos, especialmente quando estamos diante de situações de responsabilização da nossa atitude. Fugimos pra não encarar, fugimos pra não admitir, fugimos pra mascarar. Isso acontece também quando lidamos com traumas, problemas mal resolvidos, feridas que ainda estão abertas e que tentamos esconder. Confira:

Formas de Ouvir e Assistir o Programa de Hoje:

Confira o áudio do programa na íntegra:

Rodrigo Campos
Um Caminhante Aprendiz

Onde você me encontra?
Twitter: @caminhaprendiz
Facebook: /caminhanteaprendiz
Youtube: bit.ly/caminhanteaprendiz
Instagram @caminhanteaprendiz
E-mail: rodrigoaccampos@hotmail.com
Whatsapp: 18-997358253

Ouça a Web Rádio Caminhante Aprendiz através dos links abaixo:

Contribua com a manutenção do Blog e da Web Rádio Caminhante Aprendiz e receba como gratidão, aulas em diversas áreas do conhecimento:

2 comentários

  1. O modernismo foi marcado pela tentativa de fuga, quando Manuel Bandeira , num ímpeto poético, cansado da mesmice que o cercava naquele período literário, disse: vou- me embora pra Pasárgada, lá sou amigo do rei, lá tenho a mulher que quero, na cama que escolherei. E não apenas ele, mas tantos outros, naquela tentativa de fuga, marcada pelo período histórico do modernismo na literatura, ensaiavam uma forma de fugir dos dias, da repetição, do mêsmico, da rotina que os atormentava.
    Até mesmo a inconstância dos dias e a angústia poética constatada no modernismo, que impelia e convidava à fuga da realidade, guardava no íntimo a necessidade de lançar, pelo menos palavras, quando não a prática de lançar luz sobre a escuridão e o enfastiamento do cotidiano sem aventura.
    Aí, diria Isaías, acerca do povo : e aos que viviam na região da sombra da morte e da mesmice dos dias, resplandeceu-lhes a luz….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: