Página 86 a 90

A moralidade gera domínio e controle sobre as pessoas. A moral arbitra sobre a pluralidade da vida, ela quer estabelecer um imperativo social através do qual todo cidadão deve ser adestrado, suprimindo toda forma de pensamento que relativise ou pense suas premissas por outros pontos de vista. É porisso que o moralista se sente tão inflado em seu ego, pois lhe dá a sensação de ter alcançado o topo da experiência humana quando na verdade, ele apenas se uniformizou do lado de fora, sem nunca provar do bem que transforma a interioridade. É o orgulho da casca aceitável, agradável à vista, aplaudido pela massa, da visibilidade oca, sem significado essencial.

Vale a pena reproduzir o que Caio diz nesse trecho:

E aí? O que achou da leitura dessas páginas desse livro? Deixe seu comentário com suas percepções logo abaixo!

2 comentários

  1. Esse capítulo 4, “A Teologia Moral de Causa e Efeito como Desconstrução da Lei da Liberdade em Cristo”, está sendo bem profundo pra mim. Estou lendo cada versículo bíblico das referências e notas de rodapé. Tem sido de grande aprendizado.

    Achar o equilíbrio entre o que é moral e o imoral, lícito ou ilícito, convém ou não convém, não é tarefa fácil.

    Minha cabeça sempre foi moldada a enxergar a dualidade: bem e mal, luz e trevas, céu e inferno, certo e errado, de Deus e não de Deus etc.

    E moral sempre foi o certo, afinal era o oposto de imoral e imoralidade, que inclusive é condenado no evangelho.

    A insistência do Caio em dizer que nem moral nem imoral é o que importa para vivermos na liberdade de Cristo, mas sim a consciência guiada pelo Espírito, que nos leva a ser livres tanto das listas morais e da Lei (que são os rudimentos) quanto da libertinagem, imoralidade e iniquidade, que não são a real liberdade como se acha no mundo, tudo isso que tenho lido nesse capítulo tem feito uma verdadeira des-construção de paradigmas no meu ser.

    Ainda tem muita pedra pra quebrar e rolar, mas em meio aos escombros tenho encontrado pacificação no meu ser.

    Vamos caminhando. Talvez eu vá mais devagar pra aproveitar um pouco mais a jornada. Mas vamos chegar até o fim do livro… rsrs

  2. A nossa moral do dia a dia nos anuncia uma queda profunda. Apenas vivendo o que a cruz nos diz para ver que é abnegação e se chamado por Deus para viver o seu amor e graça caminhando na viga. mas a assistência sim Deus dá assistência em seu sangue do sangue do seu filho Jesus.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: