The Dones #8 – Cinco fatores que contribuem para o declínio na participação nas instituições

De acordo com o sociólogo Josh Packard, 35 milhões de pessoas já não participam de uma congregação local, mas permanecem apaixonados por sua fé em Cristo. Esse é o mesmo número  de pessoas que participam a cada fim de semana. Sete milhões desses estão presentes nas reuniões somente “no corpo” e provavelmente farão o número dos que saíram aumentar, em breve.

O que devemos fazer com tudo isso? Alguns pastores sugeririam que aqueles que saem são apenas egoístas em um momento em que a família na fé mais precisa deles. Isso não é verdade para os que conheci nesses últimos vinte anos. Eles não saíram por serem egoístas, pelo contrário, usaram de suas melhores tentativas de inspirar mudanças em suas congregações, que agiam como surdas a eles.  Eles não desistiram da igreja, mas estão procurando por expressões mais autênticas dela.

Então, por que tantas pessoas estão saindo agora? Vejo cinco fatores culturais que convergiram no nosso tempo para contribuir com esses êxodo:

  1. A tendência de criar comunidades gigantes. Há 50 anos, a maioria das igrejas locais se reuniam em locais que haviam sido construídos ao longo de gerações e a igreja atuava como uma grande e extensa família. O movimento de crescimento da igreja dos anos 70 e 80 aumento o tamanho dos locais, e com o advento das mega-igrejas, a comunidade real se perdeu no impulso de se tornar maior e melhor, e a maioria das pessoas se viram sentadas em uma sala cheia de estranhos. A programação tornou-se mais importante do que a comunidade e as relações que tiveram se tornaram superficiais, na melhor das hipóteses.
  2. O apelo à frequência. Na medida em que se aumentou o tamanho, grande parte dos programas da igreja foram projetados para atrair o seguidor apaixonado por Jesus, e os líderes acabam constrangendo os participantes casuais, criaram mais entretenimento para os menos envolvidos, lotaram a semana de eventos, pois não bastava mais um envolvimento apenas uma vez por semana. Quando os pastores profissionais perceberam que seu crescimento econômico se baseava em atrair o fã casual, eles mudaram substancialmente a natureza da comunidade para garantir que fossem entretidos. Funcionou! A vizinhança foi toda atraída, mas isso arruinou a fé daqueles que haviam se apaixonado por Jesus. Essa estratégia funciona muito bem com o futebol, mas não com o evangelho. Os seguidores apaixonados estão saindo e muitos pastores estão preocupados com o fato de haverem se cansado e agora só resta aqueles que possuem um interesse casual em relação a espiritualidade.
  3. O declínio da pressão cultural. Costumava ser verdade que para ter credibilidade como cristão na comunidade local, ou pelo menos ocupar vagas de trabalho era preciso estar presente na comunidade local. Os que não tinham essa frequência eram desprezados. isso já não é mais realidade e as pessoas tem muitas opções para preencher o fim de semana As pessoas já não sentem obrigadas pela pressão externa e o estigma de não comparecer não existe mais fora dos muros de uma comunidade local.
  4. A sistematização da espiritualidade que ignora o coração em favor do intelecto. Seminários preparam líderes para instruir os fiéis, mas deixaram de lado a conexão do coração que anima a espiritualidade. Deus é cognoscível na vida interior de uma pessoa, não apenas através de um sermão, um texto ou uma aula bíblica. Ao não ajudar as pessoas a se conectarem mais relacionalmente com Deus criaram uma fome espiritual nas pessoas que a compreensão intelectual sozinha não pode satisfazer. Em vez de envolver sua paixão, eles se estabeleceram com a obrigação e a culpa como motivações de fé e deixaram as pessoas cansadas, frustradas e vazias.
  5. A disponibilidade de visões alternativas. Costumava ser que aqueles que lutavam contra determinados programas das comunidades pensavam estar sozinhos. Isso foi fácil de manter enquanto houvessem os “porteiros da inteligência comunitária” controlando as ideias que as pessoas poderiam ter ou não. Quando a distribuição de material costumava ser dispendiosa, era impossível a literatura desafiar o status quo, já que a maioria dos editores achava que as recomendações do pastor eram críticas para as vendas. Agora, qualquer um pode publicar um livro, publicar artigos na internet, ou compartilhar um podcast com o mundo. As pessoas estão descobrindo que não estão sozinhas em suas preocupações com a impotência do programa institucional e seu desejo por uma vida espiritual mais vital e pessoal, e uma experiência comunitária mais envolvente.

Aquilo que esses fatores convergem nesse momento da história religiosa, pode apontar para algo muito maior do que simplesmente pessoas egoístas que deixam as congregações para perseguir seus próprios interesses. Esse êxodo pode de fato ser um movimento do Espírito para revitalizar a igreja de Jesus para os próximos dias. As pessoas não estão abandonando a igreja, estão apenas abandonando as estruturas que já não dão espaço para ela prosperar no meio deles.

Então, enquanto alguns olham para 31 milhões de pessoas se afastando como motivo de alarme, eu particularmente acho encorajador. As pessoas estão levando sua fé a sério e se a congregação que eles frequentam não está mais expressando essa jornada, eles estão disposto a correr um grande risco pessoal de procurar em um outro lugar, não apenas outra instituição, mas outras maneiras mais relacionais de se envolver com Deus e com os outros. Eles estão encontrando uma espiritualidade mais autêntica que lhes permite amar mais livremente as pessoas no mundo.

Este é um momento emocionante na história da igreja. Estamos descobrindo quais as expressões que a igreja pode tomar quando as pessoas profundamente envolvidas com Deus encontram formas de se conectar e colaborar no mundo sem os rigores do institucionalismo. Tenho a esperança de que essas pessoas possam expressar melhor a natureza de Deus no mundo do que nossas cansadas instituições estão fazendo atualmente. Este é um ótimo momento para você estar vivo!

Wayne Jacobsen
Tradução livre do artigo “The Phenomenon of The Dones” de https://www.lifestream.org/the-phenomenon-of-the-dones/
wayne


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s