The Dones #7 – 7 conselhos que o ajudarão quando você estiver “cansado” de igreja

Um guia de sobrevivência para aqueles que se encontram fora das congregações convencionais.

De acordo com a pesquisa mais recente, as pessoas estão deixando a congregação da igreja local em massa. Muitos fazem isso questionando se Deus existe mesmo, mas muitos outros continuam a seguir apaixonadamente a Jesus, convencidos de que a instituição a que pertenciam estava em desacordo com a paixão espiritual que crescia em seus corações. Talvez nem tenham entendido o porquê, mas algo dentro deles continuou a atraí-los para um relacionamento mais autêntico com Jesus e a um ambiente mais livre para compartilhar sua vida e amor com os outros.

Muitos que abandonaram a congregação tradicional já foram líderes, voluntários e um dos contribuintes principais. Eles ficaram cansados dos programas e expectativas que não incentivavam sua jornada nem cultivavam o tipo de comunidade que eles procuravam. Sair de suas congregações nunca é uma tarefa fácil, e a maioria só faz isso quando não vêem outra alternativa.

Encontrar-se fora do modelo congregacional pode ser incrivelmente desorientador por um tempo. Família e ex-amigos questionam sua fé ou fazem você se sentir culpado com acusações de amargura ou egoísmo. Todos os quesitos que você usava para avaliar sua saúde espiritual já não fazem mais sentido algum. Alguns questionam sua própria sanidade e ainda mais, pois estão cada vez mais isolados dos únicos amigos que já tiveram.

Se você deixou sua congregação por razões semelhantes, o que você deve fazer agora? Tenho assistido muitas pessoas passarem por esta transição, pessoas que vivem mais livremente e começam a abraçar um conjunto diferente de realidades, que não só lhes permitem sobreviver fora de uma congregação local, como também, de verdade lhe proporcionam crescimento na jornada de aprender a seguir Jesus, compartilhando de suas vidas uns com os outros e fazendo parte do propósito de Deus no mundo.

  • Primeiro, respire fundo e dê um tempo a si mesmo. Você foi convidado para uma viagem maravilhosa que levará anos para realizar. Muitas pessoas se apressam para se juntar a outra congregação ou começar seu próprio grupo nas casas para preencher o vazio, mas acabam recriando o que eles disseram ter abandonado. Resista ao desejo de encontrar outro grupo imediatamente ou de criar um. Este é um tempo para se aproximar de Deus e deixá-lo preencher o vazio. Haverá tempo para mais conexões mais tarde, quando não for uma resposta motivada por uma necessidade, mas sim resultado da liberdade para abraçar o dom da comunidade que Deus quer dar a você.
  • Em segundo lugar, não queira empurrar goela abaixo dos outros aquilo que você está vivenciando em sua jornada. Você não precisa dizer às pessoas “eu deixei a igreja” ou “julgo como menos espirituais aqueles que ainda vão”. Não se trata de julgar os outros ou de fazer conclusões estranhas sobre o futuro, você ainda não tem condições de começar a resolver isso. Simplesmente siga Jesus, e visto que é Ele que está te conduzindo, seja gentil e honesto com aqueles que lhe perguntam porque você não está mais fazendo as coisas que você antes fazia. Lembre-se, você é aquele que mudou, eles estão apenas fazendo as coisas que você sempre fez, acreditando que elas são obrigadas a fazê-lo. Elas se sentirão ameaçadas pelas mudanças que você está fazendo, e você pode ajudar a desarmá-las deixando-as ter sua própria jornada. Não tente alterá-los ou consertar. Você não pode, até que o Espírito desperte a mesma fome neles que há em você.
  • Terceiro, perca a necessidade de ser validado pelos outros. A religião funciona estabelecendo um conjunto de expectativas e recompensando aqueles que as satisfazem, e punindo aqueles que não as cumprem. A maior liberdade nessa jornada é deixar Jesus quebrar esse ciclo para que você possa encontrar sua identidade em seu amor por você. Tentando convencer os outros o quão certo você está, apenas os endurecerá e destruirá sua amizade com eles. tentando justificar-se não permitirá que você ame eles nem o levará à liberdade da tirania das opiniões de outras pessoas. Seja gracioso com todos e deixe sua fé e experiência ser toda a validação que você precisa.
  • Em quarto lugar, aprenda a beleza e os ritmos do amor. O ritual e as regras que os outros exigem de você ainda seguem a lei, mesmo que as chamemos de “princípios do Novo Testamento”. Deus não nos transforma através de obrigações tampouco a partir do cumprimento das expectativas dos outros. A razão pela qual muitos de nós ficamos frustrados em ambientes religiosos é porque fizeram promessas para nós que nunca se cumpriram. Quanto mais nós tentamos vê-las cumpridas, maior o vazio dentro de nós ficava. Deus convidou você a viver uma nova criação em que Seu amor nos transforma cada vez mais profundamente em nosso interior. Durante esse tempo da sua vida você aprenderá a ver para além das manipulações que usavam a obrigação como argumento, você também superará aqueles argumentos relacionado a “responsabilidade, culpa e medo” e viverá num ritmo diferente que permitirá que você viva mais repousado, ciente dos outros e livre das pressões daquela fase de consciência. Em vez de fazer que os outros ditem o que você precisa fazer, você estará mais livre para discernir o trabalho de Deus em você e encontrar-se abraçando as realidades da graça, perdão, liberdade e generosidade. Tudo começa quando você pede que Ele lhe mostre o quão profundamente é amado por Ele, e então deixe-O mostrar. Este é o caminho que o levará a uma maior liberdade e plenitude.
  • Em quinto lugar, assista sua confiança em Deus crescer. Muitos ficam surpresos ao descobrir o quanto de sua vida religiosa foi impulsionada pelo medo de que Deus os puniria, pelo medo de desviar-se, pelo medo daquilo que os outros pensam sobre eles, ou mesmo medo do fracasso. Como você está mais em contato com Seu amor e Sua satisfação em você, mesmo quando você está em crise ou mesmo duvidando, você achará que sua confiança em Deus começará a crescer. Você perceberá que Ele está em você e descobrirá a alegria de cooperar com Ele no trabalho Dele em você e se encontrará mais relaxado, mais consciente de seus impulsos e insights, e menos inclinado a ações destrutivas e prejudiciais. Quando Paulo falou a respeito da justiça que vem da fé (confiança), é exatamente a respeito disso que ele estava falando. Quando confiamos Nele não tentamos nos salvar nem forçar o nosso caminho. Agora podemos saber o que é estar contente Nele, lidando com o que a vida nos traz, porque de fato Ele está caminhando conosco cotidianamente.
  • Sexto, cultivar amizades com os outros. O amor de Deus trabalhando em você o libertará para amar cada pessoa que Deus coloca a sua frente, e se interessar por eles, independentemente se eles já conhecem ou não a Deus, e interagir com eles enquanto lidam com suas preocupações, lutas e alegrias. Procure maneiras de incentivá-los, pois Deus lhe dá uma visão da forma de fazer isso. Conheça melhor as pessoas com as quais você já convive em seu trabalho, escola e em seu bairro. Entre em contato com elas, convide-as para um almoço, leve-as para um ambiente onde o relacionamento se torna mais relaxado, autêntico e mútuo, dê tempo para que essas amizades cresçam e assim sua comunidade vai se formando ao seu redor.
  • Em sétimo lugar, permita que Deus expanda sua visão de igreja. A maioria das pessoas pensa na igreja como um grupo ou reunião específica em um horário e lugar determinados e, se você não está lá, você não é parte da igreja. Essa ideia é feita para que as pessoas se sintam culpadas e isoladas enquanto os seus “irmãos da caminhada” se afastam delas. É fácil se sentir assim quando você se vê como o único que se cansou da instituição religiosa. Mas você não está sozinho. A pesquisa mais recente mostra que você é um em cerca de 31 milhões de americanos que não pertencem mais a uma congregação local, mas ainda estão procurando ativamente seguir a Jesus. Isso significa que um a cada sete adultos está em uma viagem semelhante à sua e há 7 milhões que estão cansados também, mas ainda não deixaram a congregação, ainda estão lá, mas apenas no corpo. Isso significa que a igreja está falhando? Se olharmos da perspectiva religiosa de tentar gerenciar a “igreja” sim, mas o que você descobrirá é que a igreja de Jesus nunca foi criada para ser uma instituição, mas sim uma família em crescimento que está aprendendo a caminhar com Ele e que está aprendendo a compartilhar sua vida e amor uns com os outros. A comunidade real flui de amizades e não de reuniões, razão pela qual Jesus passou o tempo com as pessoas em sua vida em ambientes mais informais. Quando chegamos a ver sua igreja como uma realidade fora do controle humano, então você poderá abraçar sua realidade, no entanto, ela toma forma nas relações e conexões ao seu redor.

Aprender a viver em Sua liberdade e alegria é fruto de um processo que leva um período significativo de tempo em nossas vidas. Não apresse o processo. Aprenda a abraçá-lo e a relaxar no processo, e você descobrirá o “algo mais” que seu coração tem procurado. Você se encontrará em conversas significativas que irão aprofundar sua própria fé e encorajar os outros a encontrar mais realidades na fé deles também.

Espero que aqueles que estão cansados das instituições religiosas não saiam e criem suas próprias instituições, mas aprendam a viver de forma diferente no mundo e então possam ver a igreja que Jesus está construindo tomando forma à sua volta.

Wayne Jacobsen
Tradução livre do artigo “The Phenomenon of The Dones” de https://www.lifestream.org/the-phenomenon-of-the-dones/
wayne


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s