1) Todos os dons são igualmente importantes, até mesmo os “menos” aparentes.

2) São ferramentas de serviço humilde ao próximo, não motivos para exaltar os que os possuem.

3) A questão principal não é se tenho ou não um dom espiritual, mas sim se tenho caráter suficiente para usá-los de forma equilibrada, generosa e não gananciosa em favor de quem precisa dele.

4) Posso ser capaz de realizar muitas coisas, mas se eu não tiver amor, nenhum dom será proveitoso.

5) Todos os dons apresentados e manifestados por Jesus eram para sinalizar o Reino de Deus entre os homens, mostrando assim o fato de que Deus não está alheio à nossa vida.

6) Muitos serão beneficiados pelos dons que há em nós, mas pouquíssimos serão gratos pela graça recebida. Dos 10 leprosos curados, apenas 1 voltou para agradecer.

7) Quem lida adequadamente com o dom que possui, não faz alarde, não toca trombeta, simplesmente faz o que tem que ser feito sem contar vantagens diante dos demais.

8) Os que possuem o dom do ensino serão julgados com maior rigor.

9) Uma comunidade cheia de dons não é necessariamente uma comunidade madura. Acerca da igreja em Corinto Paulo escreveu que não necessitavam de dom algum, no entanto estavam divididos entre si e precisando voltar à verdadeira unidade.

10) O dom é uma expressão da função particular de cada um no Corpo de Cristo, e justamente por isso, cada membro depende dos dons e habilidades uns dos outros. Precisamos desse senso de coletividade.

Rodrigo Campos
Um Caminhante Aprendiz
200x200

 

Escrito por Rodrigo Campos

Um caminhante que está disposto a aprender com os erros e acertos, refletindo quais são as verdadeiras importâncias da vida e sua essência!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: