Acordo e corro atrás do vento

Sem esperar ninguém

A vida pede do meu tempo

Preciso ser feliz, talvez

Me vejo aprisionado a tudo

Preciso libertar meu mundo e só

Parar de venerar os laços

E remover dos meus abraços

Todos os meus nós

Me sinto celebrando os mortos

Vagando em todos os seus portos só

Frustrado faço uma parada

Lamento não encontrar a estrada

E durmo outra vez

Rodrigo Campos
Um Caminhante Aprendiz

6 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: