Ela olha bilateralmente
Seu bico negro aponta para a fonte dos sentimentos
Suas cores indicam um bom gosto intencional de quem cria
Quantas eras foram necessárias para se chegar ao ponto certo desta criatura?
De repente, tudo se transforma
O azul, amarelo,verde, branco, preto
Tudo junto e misturado no ar
De fundo, o céu límpido do crepúsculo matutino
Se deixando riscar por este cacique voador
Oh, grandes pagãos!
Que são capazes de perceber a santidade natural
Tão mais simples e tão mais rica que a santidade dos homens
Salve, salve, arara-azul!
Felipe Farah
felipefarah12@gmail.com
felipe

4 comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: